quarta-feira, 24 de novembro de 2010

New spider species

It was recently published in The Journal of Arachnology the description of a new spider species from the portuguese mainland: Trachyzelotes minutus Crespo, 2010, was found in the pitfall traps of Sara Mendes, in her last project on the "montado" ecosystem throughout Alentejo, in 2008. This is a small species, the smallest known Trachyzelotes, as the only male didn't reach 3 mm and the females barely pass 3 mm. The species can be distinguished morphologically through the analysis of its copulatory structures, but can be considered generally as small brown spider, like the majority of Gnaphosidae species (scale bars = 0,1mm).

This is only one among the relevant amount of new species already found in Portugal by me and my colleagues. The important factor here is time to make proper descriptions and to interact with museums in order to check the specimens stored in their collections.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Ugly dogs @ Terra-Chã

Given the international aspect of the team currently present at the Azorean Biodiversity Group I will type this in english. This is a small post dedicated to the 2 ugly dogs that reside at the Terra-Chã "campus/WW II hospital", which is currently having its last days as a part of the University of the Azores since we are now moving to a new building, closer to Angra. The one thing about these dogs that really amazes me, and perhaps my colleague François Rigal, is that they are sooooo ugly!!! It really makes the day begin with a smile on the face once we see these dogs because we think "how can you be so ugly?" and these dogs should be quite a feat of nature! We will surely miss them when we leave in some days/weeks/months/years/centuries(?).
The short one s the dominant male, and according to Pedro Cardoso, his name is Javali ("wild boar"). :)
Forgive my mobile phone quality for these photos.
Well, I need to get back to sorting and packing arthropods for DNA analyzis. Reminder: need to ask Pardal for the frickin' photos for the remaining posts for the BALA II expeditions.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

São Jorge (II)

Some days after Faial (II), off I went with Pardal back to São Jorge, to collect the final samples for Bala II. Like in Faial, I finally had the time to do some sightseeing with Pardal, with geocaching as a direction to some spots.One of the most impressive places in São Jorge that I went to was the Lighthouse of Rosais, which is now inactive due to the last earthquake, that destroyed most of the building. A cache was located in the most Western tip of the island, just above a huge cliff! If there is one island that calls for landslides in the Azores, that is São Jorge.
A very nice stop was when we went to Fajã dos Vimes. In São Jorge you have several Fajãs, which I have described earlier as small pieces of flat land caused by a big landslide. In many fajãs, people don't live there all year round, but in São Jorge, you can find a decent amount of people living in these beautiful but dangerous pieces of land all year round. Here we logged a cache with a very nice wooden container.We didn't have the time to visit the most beautiful and known Fajã of the entire archipelago, Fajã do Santo Cristo, located in the Caldeira with the same name, as this place is only acessible by foot and we didn't have enough time to go to this nice place, that we could see from the plane. In the photo: I, logging a cache in the beginning of the trail that leads to the Caldeira do Santo Cristo.
The last stop was Morro de Velas, a volcanic tuft in the vicinities of Velas. One more hike, one more cache, one more view over the landscape, and we were finished. Here I caught an adult female of Arctosa perita, which wasn't reported to São Jorge yet.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Faial (II)

Just some days after the expedition to São Jorge, it was time to go back to Faial to get the pitfall traps, with Pardal. We decided to head first to the Cabeço do Fogo transects. On day 1 we did these transects and on day 2 we did the Caldeira transects (ahh the Caldeira, what a nice hike again) and so, we had 1 free day to have a touristic tour around the island, with a lot of stops for geocaching - of course!
We visited Praia do Almoxarife and the North-East area of the island, where there were many wrecked buildings to the common earthquakes. According to Pardal, that area is one of the most unstable areas of the island and it is not recommended to live there.
Among the most interesting sites of Faial, the Capelinhos area is by far one of the most interesting as from one moment you are in a typical humid azorean area, with loads of green, and suddenly you see yourself in the desert! Very nice!
Not very far Capelinhos and Cabeço do Fogo there is Furna Ruim, where we stopped by to see the Furna and to log a cache.We took the time to go to Varadouro on our way back to Horta, where there were some natural pools. I didn't take my swim shorts, but maybe next time I visit the island I won't forget them because it was a nice place to swim. And yup - you guessed - another cache! After this stop, and still en route to Horta, Feteira had the next one, that was successfully found between Erica bushes guarded by a lot of Argiope bruennichi! Regarding geocaching, Faial contributed with 4 marbles to add to my marble collection.
A final note to the Horta marina, widely known for its paintings. I had the chance to visit this site previously, but since this expedition has a greater cultural and touristic component due to the interactions with Pardal, a great conoisseur of all the Azorean sites, and the absence of Paulo, so this is the the right post to insert a picture of the Marina.

domingo, 12 de setembro de 2010

São Jorge (I)

Right after the Faial expedition, and just after the weekend, off we were to São Jorge. The crew's itinerary was similar, with the difference that Kostas decided to take the plane, due to the traumatic experience of the last boat trip to Faial. This time we went on the Express Santorini (the ferry boat), which was slower, and the sea was smoother, so the trip was nice and not so long. In the photo: Cabras' Islets, south of Terceira.
We stayed in Casa do António hotel, in Velas. It was a very cosy place, as the place was more like a family home than an hotel. Here we could try to grab some araçás, a fruit from an introduced plant. It tastes a bit like a loquat (pt: nêspera). One very nice thing was the free cakes we could grab, when we got back to the hotel after a day full of fieldwork, especially the typical biscuits from São Jorge, "espécies" (see here), very nice! The field lab was located in a house that belongs to the Environmental Services (so I remember but not sure...).The first site we did was the Topo reserve, with 2 transects. After walking along some Cryptomeria plantations and pastures we arrived. It reminded me of Morro Alto in Flores or Graminhais in São Miguel, as the trees were very short. It was a very nice day here, as the sun was only intermittent with some foggy periods, especially in the morning. It was relatively easy to walk around here also, compared to other sites. The vegetation was the usual one, with the extra of some specimens of Euphorbia stygiana in one of the transects. Here I tasted the fruits of Vaccinium for the first time. Although a bit acid, they are quite good and juicy! Some extra food, organic and endemic!
The next day it was raining and we spent the day - or days, I don't recall - sorting in the field lab, like in Faial. The last site to be done would be the Pico do Pinheiro, with 2 transects on Erica dominated forest. We started off the days pretty well, with a shining sun above us. However, when we were finishing the last transect, one of the most huge rainfalls came down on us. We were only about 5 or 6 pitfalls from the end, so we decided to take it on. We were below tree cover, but still, there was no escape, as it was thick rain. Everybody was wet from head to toes. Sadly, there are no photos of this, but it was too stressfull for kodak moments here... Ironically, these were the last traps to be set in all the BALA II fieldwork, and this was the worst rainfall ever.
Later in the week, Isabel Amorim joined us to give an oral presentation to the locals on cave species of the Azores, but the whole staff but Paulo (who also had a presentation to give) returned to Terceira before that, as we finished the fieldwork in a good time. This was not a consensual decision but no big deal for me.

sábado, 4 de setembro de 2010

Faial (I)

After Sandra was with me the past 15 days, it was time to return to work (uhhh, I don't think I have left it in the past days, though... :/ ) and go to Faial, for another BALA II expedition.
This time, the team was upgraded to "International level" as François Rigal and Konstantinos Triantis (a.k.a. Kostas) joined me, Pardal and Paulo for the trip.

On the way to Faial, since - yet once again - someone had to take the propilene by boat, all of us except for Paulo (who else?) took a ride on the agitated sea of September 30th, with a stop in Pico and São Jorge. It was the most harsh boat ride so far, with many people in the Hellenic Wind barfing and seasick. Among the 4 of us, the only casualty was Kostas, who went to the bathroom 2 or 3 times. Gladly, there are no photos of this day...

We stayed at Hotel do Canal in Horta, and I must say that this was most likely the most luxuriant hotel that we have stayed in so far! And with a huge and diverse breakfast!
Our field lab was situated in the Botanical Garden of Faial, which was a nice place to see endemic plants of the Azorean archipelago. We decided to check the hardest site first, because of the unstable weather conditions latter on the week: the Caldeira! Its geomorphology is impressive, as it is large and all visible from its top. It is literally an island within an island, as there is no surrounding patch of laurel forest around it. The descend is more than the vertical 400 meters, it isn't much but the steepness is remarkable at some points (puff puff). Of course that going down is much easier, but if you consider that the ground is slippery because it's wet and you are carrying a load of materials for the fieldwork, you also gotta be careful because you can easily break a limb or something worse... As we started going down, we were greeted by the endemic tree species, like the Juniperus brevifolia, Erica azorica, Ilex perado spp azorica, Vaccinium cylindraceum and Frangula azorica, which is called "sanguinho" (small-blood) in portuguese, due to the red colour of the interior of the stems of this plant.
Once we reached the interior of the Caldeira, we needed to set up the first transect in an Erica forest, and after we were surrounded by spiny bushes (Rubus ulmifolis, les ronces, fait chier sa race!) we decided to relocate that transect closer to the margin of the Caldeira. After setting it up, with Paulo and Kostas doing the beating and the rest of us digging the pitfalls, we had a very nice and peaceful break to have some combat food, near a small water course.
The second transect was built as we started our way up, since it was in the path to and from the interior of the Caldeira. After we set up all the traps Paulo and Kostas had already finish the beating and the 3 of us started the climb up. It was a very sunny and pleasant day and when I and Pardal, the last ones of the whole crew, were reaching the top of the Caldeira and saw a lovely moment when the clouds literally invaded the Caldeira, in about 20 minutes, I never saw clouds moving so fast before!
And what a nice climb to finish the day! After this, only a bath, a nice free dinner and a good night of sleep would follow.
The next day, the weather got worse and he stayed in the Botanical Garden sorting some samples from the previous day. Right in the entrance of the Botanical Garden we could see some endemic Azorina (now Campanula, sorry Azores for losing its only endemic plant genus, according to Hanno Schaffer) vidali, a remarkable flower endemic to the Azores, which has probably named Flores when the first explorers stepped their foot in this island and saw the rocky shores covered by this beautiful plant.
After this, we were left with the final site to do, with 2 more transects to set up, and this was Cabeço do Fogo, some kilometers to the West side of the island. The place was filled with the usual invasive species, Pittosporum undulatum and Hedychium gardnerianum, and, therefore, more degraded than the Caldeira. The pitfall trapping of the upper transect was troublesome, as there wasn't many suitable places in the ground, due to the big rhyzomes of Hedychium. La forêt açoriaine est trés enmerdé, as François would say! On one side of the Cabeço do Fogo, the landscape was very nice, as the black rocky ground was covered by a species of gray moss, very soft and fluffy.After these 2 transects were done, François and Kostas went to see Capelinhos but I decided to join Paulo and Pardal for another Tarphius hunt; as I was supposed to come back here in 2 weeks with Pardal to finish the work, I thought that I could do this in another time. This was a very nice week in Faial but also very tiresome because the transects demanded some patience and some effort to be done. My next expedition to this island would certainly be less demanding...
In the flight back to Terceira, note for the clearest sky ever above "the triangle": Faial, Pico and São Jorge were clear, with no clouds above them! Remarkable!

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Sandra na Terceira

Nas duas semanas que se seguiram à última expedição a Santa Maria, estive na Terceira, e acompanhado pela minha Sandra, que me veio visitar. Dadas as contingências do trabalho, tive que a levar comigo para o trabalho de campo a realizar na Terceira, e acabou assim por ver alguma da vegetação nativa, uma vertente do turismo (biológico), que muitos turistas normalmente ignoram. Infelizmente, apanhámos alguns dias de maus tempo, e portanto tivemos muitas vezes que improvisar alguns planos pouco movimentados, mas ainda tivemos um tempo para ir visitar o Algar do Carvão, a Serra de Santa Bárbara, o Monte Brasil e a Praia da Vitória, entre outros recantos.

Pelo meio, algumas caches feitas; numa das do Monte Brasil até conseguimos provocar uma dança num salticideo do género Macaroeris, já que a Sandra tinha um espelho. O trabalho de campo aconteceu na Terra Brava, numa encosta repleta das árvores típicas, como o Juniperus brevifolia, o Laurus azorica, Ilex perado spp. azorica.

Para variar, nesta zona as árvores são grandes os suficientes para termos que trepar até às suas copas, e foi uma tarde bem passada, juntamente com o François Rigal, a recolher pitfalls e a fazer batimentos. No final deste dia, tivemos o episódio mais caricato da estadia da Sandra: como estávamos a usar o carro da Dra. Rosalina Gabriel, que é da idade da pedra (tem líquenes e tudo), e portanto não tem indicador luminoso ou sonoro das luzes estarem acesas, deixámos as luzes acesas quando saímos para ir fazer o trabalho de campo. Ora, certo está que quando voltámos ao carro, puff! Nem tossia, a ignição… Depois de alguns telefonemas com o Pardal, em situação limite de rede, lá conseguimos arranjar alguém para nos ir buscar porque já eram 8 da noite e qualquer opção de ressuscitação da bateria estava de parte. No dia seguinte, lá fui ressuscitar o Opel, com a preciosa ajuda do Chico de São Jorge (como o conheço), e estávamos prontos para outra!

Nesse dia fomos então procurar novas aventuras, e ir fazer batimentos na Lagoínha da Serreta. A perspectiva de novas aventuras não saiu defraudada, já que para dar com o sítio foi tramado, e o mega-bólide precisava de algum carinho, pelo que não foi nada fácil chegar lá, mas chegámos! O tempo não esteve perfeito dado o nevoeiro, mas sempre deu para a Sandra conhecer a vertente nebulosa do tempo imprevisível açoreano.

No fim-de-semana, tivemos a oportunidade de ir até à Serra de Santa Bárbara, desta vez sem ser em trabalho. Foi uma bela passeata! Novamente o tempo não esteve perfeito, mas não se pode dizer que esteve mau porque não choveu, apenas algum nevoeiro.

Estas duas semanas foram, por razões óbvias, espectaculares! :)

No dia 30, lá tive que ir para nova expedição, desta feita ao Faial.

sábado, 14 de agosto de 2010

Santa Maria (II)

Já há muito tempo que não escrevo nada aqui para o blogue, apesar de mais algumas expedições terem acontecido pelos Açores. E este post terá de ficar à espera das fotos.
  • edit, 24.XII.2010: fotos, yey! nem por isso são das mais interessantes visto que, nos locais de laurissilva estávamos "em xeque" por causa do tempo e não houve tempo para fotos)

Pouco tempo depois da última expedição (Pico II), segui para Santa Maria (II) uns dias mais tarde, para ir recolher os pitfall que foram colocados na 1ª expedição. Como nessa expedição o tempo esteve do pior tinha também que, juntamente com o Pardal, fazer os batimentos, para completarmos as amostras.

No dia de chegada, ao sair no aeroporto de Vila do Porto, (assim chamada porque por muito tempo o seu aeroporto era o único a fazer voos internacionais nos Açores) reparamos que viajamos com o António Guterres. Muito indelicado da parte dele não nos ter vindo cumprimentar… :p

No 1º dia de trabalho de campo, acabámos por ser obrigados a fazer turismo, já que houve confusões com a agência de viagens e não tínhamos carro de aluger senão pelas 8 da noite. Fomos dar uma passeata pela zona da Sucata, a parte mais árida de todos os Açores, que fica na zona do aeroporto. Foi realmente uma novidade para mim ter bons e abundantes calhaus para levantar, como normalmente acontece por terras continentais! Ainda apanhei umas aranhas e terei capturado um juvenil de Oonopidae que deverá pertencer a uma espécie não relatada para os Açores e trouxe uma fêmea de Theridion melanostictum, um pequeno Theridiidae que também ainda não estava citado. Esta captura foi confirmada com um macho que capturei dias mais tarde, na casa-de-banho da Universidade, na Terceira, provavelmente mais uma introdução. O nosso passeio pela Sucata culminou na 1ª cache de Santa Maria, junto ao Ilhéu da Vila.

Os dias seguintes, já com carro, foram dedicados ao trabalho de campo, todo ele concentrado na zona do Pico Alto, que se trata do único sítio em toda a ilha que ainda conserva alguma vegetação laurissilva, sendo inclusive o refúgio de 4 espécies de escaravelhos endémicos do género Tarphius. Nas pausas para os almoços, tempo para achar mais algumas caches, como a do Farol Gonçalo Velho e a do Barreiro da Faneca.

Em Santa Maria pude também observar um Monumento Natural Regional, que se trata do único afloramento calcário presente nos Açores, onde se podem encontrar inúmeros fósseis de moluscos incrustados na rocha, além de algumas pillow-lavas que, ao contrário do que normalmente acontece, estavam acima do nível do mar.

Nota também para o facto de nós termos apanhado as festas da Vila do Porto, que até tinham uma pequena exposição sobre o ambiente, com especial foco para o que se pode encontrar em Santa Maria. Inclusivamente, no penúltimo dia da nossa estadia, apanhámos o Rally, mesmo antes de jantar, que nos barrou o acesso à nossa habitual casa de pasto, durante pelo menos meia hora ou 45 minutos (tanto barulho… :/ ).

No último dia, triagens de lab de campo de manhã e à tarde um tour de carro.

Ah! A nível de geocaching, nunca uma ilha açoriana fora tão produtiva: 5 caches encontradas em 5 caches possíveis! Na foto abaixo, eu loggando a cache do Farol Gonçalo Velho.

No dia do regresso, o vôo não era directo para a Terceira, e tive que fazer escala em São Miguel, e acabo por descobrir que no avião seguia também o “grande” Marco Paulo! Que horror! :D

Bem, foi a única vez que visitei Santa Maria, e apesar de ser uma ilha com uns recantos interessantes, não penso que cá voltarei tão cedo, dada a distância à Terceira tornar o acesso de barco consideravelmente mais difícil.

Overall: uma semana agradável, mesmo com o Pardal a ressonar na cama ao lado, se bem que no final desta semana já estava cheio de vontade de voltar para a Terceira já que vem aí a Sandra!

terça-feira, 20 de julho de 2010

Pico (I)

Pela altura que escrevo isto, já voltei do Pico há uns dias, mas ainda não tinha tirado o tempo para escrever qualquer coisa, muito por causa do facto de não ter ainda as fotos que se tiraram nalguns pontos de interesse desta expedição à ilha açoriana que contém o ponto mais alto de Portugal. Antes de mais, agradeço a quem as tirou e mas pôde passar (Guida, Isabel e Paulo Borges).

A viagem para o Pico foi feita – novamente – de barco. Desta feita, a distância a percorrer era menor pelo que não se perdeu assim tanto tempo quanto nalgumas das expedições passadas. Chegados a São Roque do Pico (eu, a Guida e o Joaquin) apanhámos um táxi para a Madalena, na Costa Oeste da ilha. Já tinha ouvido dizer que a floresta laurissilva no Pico até está melhor que noutras ilhas, mas já estava à espera de encontrar uma floresta de baixa altitude muito degradada, com muitas plantas exóticas e invasoras (incenso, pinheiros, etc.). Bem, chegados à Madalena, instalámo-nos em mais 1 hotel de 4 estrelas: são os “ossos” do ofício… A Isabel Amorim e o Paulo Borges juntaram-se à comitiva umas horas depois da nossa chegada, ainda a tempo de jantar.

Como não anotei o dia-a-dia no bloco de notas, já não me lembro bem do que aconteceu em cada dia, mas as várias zonas de trabalho consistiram nos Mistérios da Prainha, no Caveiro e no Chão Verde. O 1º destes locais trata-se de um dos locais mais perigosos de todo o Bala II, já que é uma zona de fendas de lava, onde cada passo é uma armadilha e se parte uma perna com facilidade, além disso meter pitfall aqui torna-se um bocado cansativo, devido à falta de terra (musguinho é amigo!). Este foi logo o 1º, que é para despachar. As árvores nesta paisagem rugosa de lava não são muito exuberantes, e pouco se encontrava ali além dos Juniperus brevifolia (cedro-do-mato), Ilex perado (azevinho), Vaccinium cylidraceum (uva-da-serra) e Erica azorica (urze ou vassoura para os nativos).

Já no Caveiro, apanhámos uma floresta muito mais alta e exuberante, e num dos dias, até uma boa dose de sol. Aqui os vários tons de verdes do Laurus azorica dominavam a paisagem e observam-se muitos exemplares da planta semiparasita do Juniperus brevifolia, o Arceuthobium azoricum (fotografado aqui em S. Miguel pelo Pardal) e ainda dois fetos raros que existem nos Açores e Madeira de nome Diphasiastrum madeirense e Elaphoglossum semicylidricum. Ambos os transectos do Caveiro foram relativamente (bota relativamente nisso!) fáceis de aviar, restando só os batimentos de 1 deles para fazer mais tarde, quando o tempo o deixasse.

Um dos pontos de maior interesse em toda a expedição foi quando nos deslocámos ao Pico da Urza, uma pequena caldeira a Este do Pico (monte). Aqui parámos para procurar escaravelhos Tarphius, para o trabalho da Isabel. Como estes malandros são xilófagos e gostam de troncos de Euphorbia stygiana, andámos a parar em vários locais durante a semana para tentar encontrar os ditos. Ora, como se trata de uma planta rara, quando há Euphorbias não há normalmente muitas, mas na caldeira do Pico da Urze estas são relativamente densas, pelo que tive a oportunidade de estar numa pequena floresta de Euphorbia stygiana! Fantástico! Uma viagem ao passado, quando todos os Açores estavam cobertos de uma floresta contínua de laurissilva…

De Tarphius é que nada, infelizmente. O único local onde encontrámos os ditos foi na Reserva da Lagoa do Caiado, onde a minha técnica destrutiva de recolha de Tarphius se tornou bastante proveitosa e popular na recolha dos pequenos beetles endémicos. Inclusivamente, no final da semana o chefe estendeu-me a estadia para ficar a ajudar a Isabel na recolha dos Tarphius.

Quanto a isto, tenho a dizer que 2 em 5 não é nada de fabuloso, mas o requisito mínimo foi alcançado. No final de um destes dias, ainda passámos na Casa de Montanha, onde fomos averiguar se seria possível subirmos o Pico no dia seguinte, de manhã. A mulherzinha disse-nos que no dia seguinte não se fariam subidas, devido a piores condições meteorológicas. Nisto, chega um grupo de bombeiros, para ir resgatar um acidentado que se encontrava aos 1500 m de altitude (a casa de montanha está aos 1200). A Isabel desafiou-me para irmos atrás deles, e depois de termos autorização, lá fomos. No início a subida puxou um bocado, porque começa de uma forma íngreme e começou-me a dar a bronquite, mas foi só encontrar o ritmo e lá subimos um bocadito. Estávamos já nos 1600 metros quando quando a maquineta que nos dão servindo de emissor de sinal GPS e de telefone começou a apitar! Os malandros da casa de montanha viram que já tínhamos passado a altitude permitida e lá nos disseram para começar a descer. Se é verdade que sabíamos que não iríamos até lá acima, também o é que ficámos um pouco tristes com a descida forçada. Ainda assim, pudemos observar uma bela vista sobre a encostas Oeste do Pico, com realce para a grande quantidade de vulcões que se podem avistar dali (como disse a Isabel, parece que aquilo foi um gigante que, quando isto era feito de plasticina, andou a meter os dedos) e também a vista sobre o Faial. A subida até ao Piquinho ficará para outra vez. Reminder: dizer à Sandra para me trazer os batons.

Quanto à vertente gastronómica, o ponto forte foi ter provado o cavaco, crustáceo muito parecido com a lagosta, mas mais saboroso. Se o leitor for ao Pico e estiver na Madalena, recomendo O Ancoradouro como casa de pasto. Queijinho muito bom nas entradas e ninguém alguma vez saiu desgostoso com a sua refeição. A experiência mais alternativa foi ter provado cortume (será que é assim que se escreve?), uma espécie de pickle feito com as folhas carnudas de Chritmum maritimum: não era horrível, mas também não me satisfez lá muito bem, 2 em 5 valores.

Nota ainda para a paisagem de património mundial da Unesco, da vinha dos Açores. Nas zonas costeiras do Pico, encontram-se muitos terrenos com pequenos quadradinhos de pedra, que contêm apenas 2 ou 3 pés de videira cada. Infelizmente, alguns destes terrenos estão completamente abandonados, o que é uma pena… Chega-se ao ponto em que o facto de ser paisagem protegida não influencia, de facto, a sua protecção e manutenção.

Na terça-feira dia 20, de manhã, lá fui de volta para a Terceira. Uma pequena viagem de mais ou menos 30 minutos. Voltarei ao Pico daqui a uma semana para ir recolher os pitfall.

Ah! E já me esquecia de contar o episódio insólito da expedição: ora, num destes dias acordo, abro o cortinado, e dou com um saco de adubo (vazio) na varanda!!! Humm, como não sabia o que lhe havia de fazer e tinha de ir para baixo tomar o pequeno-almoço, deixei-o estar. O episódio por esta altura ainda não tinha entrado bem na minha mente pelo que lá ficou. O curioso é que as senhoras da limpeza devem ter achado que o saco era de alguma forma, meu, e portanto toca a dobrar o dito bem dobradinho debaixo da mesinha de cabeceira… Ao fazer o check-out perguntei aos senhores se alguém sabia alguma coisa de um saco de adubo, mas ficaram todos surpreendidos, não mais do que eu certamente… O saco de adubo acabou por se tornar numa das piadas desta expedição.